8 de agosto de 2016

sobre o ano letivo que está agora a terminar (sim, só agora!)...


FOTO: Marafonas em feltro - Trabalho realizado com os alunos,
no presente ano letivo... Que tal? ;-)


Por aqui, ser professora e mãe foi:

- Iniciar o ano letivo, com uma reunião num Agrupamento de Escolas,
para distribuição de horários de (apenas) 5h letivas semanais,
no mesmo dia e à mesma hora em que o filhote 
tinha a sua Receção ao Aluno, na nova escola, 
felizmente o pai estava presente;
- Ficar com 5h letivas, distribuídas por 4 dias da semana, ao final do dia,
quando o filhote já estava de regresso a casa, felizmente o pai,
mais uma vez, estava presente a essa hora;
- Aproveitar todo o material que se tinha em casa para elaborar os trabalhos com os alunos, porque a filosofia desse Agrupamento de Escolas não era a de requisitar material, mas solicitar aos alunos que trouxessem os seus próprios materiais 
(o que nem sempre acontecia, claro!...);
- Ter sido colocada num Agrupamento de Escolas, a 50 Km de casa,
em regime de substituição, num horário quase completo,
passadas 2 semanas após ter iniciado no primeiro 
Agrupamento de Escolas;
- Conciliar os dois Agrupamentos de Escolas, 
(até porque o segundo horário era apenas de substituição e 
poderia terminar a qualquer momento o que, felizmente, não veio a acontecer), 
enquanto foi humanamente possível, fazendo, 
diariamente cerca de 150 Km, 750 Km por semana, 
mas andar feliz e quando a mãe estava feliz, 
o filhote também estava mais feliz;
- Ter 5 turmas do 1º ciclo (Expressão Plástica) + 5 turmas de 2º ciclo (Educação Tecnológica) + 1 turma de um Curso Vocacional (Hortofloricultura/ Jardinagem) + 1 turma do 3º ciclo e secundário PIT – Plano Individual de Transição (Emprego), com alunos com NEE's (Necessidades Educativas Especiais) e 
1 filhote que iniciava um novo ciclo 
(também com muitas disciplinas e novos professores);
- Ser MÃE; e ser Diretora de Turma do Curso Vocacional;
- Começar, cada dia, ainda no dia anterior, com a preparação 
das roupas para o filhote e dos materiais para os alunos, 
para o dia seguinte;
- Dormir à pressa;
- Levantar (sem ainda estar muito bem acordada) e
ir preparar os pequenos almoços e os lanches;
- Ir acordar o filhote com um "Bom dia Alegria!";
- Tomar o pequeno almoço com o filhote;
- Sair de casa cedo (nem sempre se conseguia)
porque havia uma viagem para se fazer, logo pela manhã;
- Falar com a mãe e ouvir do outro lado "Força, tu consegues!";
- Ir para a “Horta da Escola”, 
ajudar na preparação do terreno para futuras plantações, 
olhar para os meus alunos 
(e os outros que entretanto se juntavam a nós,
vá lá saber-se porquê...) e pensar 
"Olha que engraçado, hoje, são só ciganos!",
sorrir e receber o sorriso de volta com a frase: 
"Os ciganos e a senhora." (Gostei dos "meus" ciganos!);
- Partilhar preocupações na sala de professores;
- Atender Encarregados de Educação;
- Separar brigas de garotos nos corredores da Escola;
- Ir à Direção (2, 3... várias vezes ao dia);
- Ouvir queixas (muitas, por ser a Diretora de Turma do Curso Vocacional)
dos colegas/ professores e também dos funcionários
(que precisavam, simplesmente, de desabafar...);
- Falar com: agentes da Escola Segura, Técnicas da Segurança Social e da Reinserção Social, Técnica Superior de Serviço Social e Psicóloga do Agrupamento, colega da CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) e, juntos, procurar “soluções”;
- Almoçar (o que nem sempre acontecia) em 10 minutos, 
ao lado de 2 ou 3 alunos, da idade do filhote, e 
incentivá-los a comer também a sopa e a fruta e
desejar que, na Escola do filhote, tudo estivesse bem;
- Orientar os trabalhos dos alunos nas diferentes áreas de: 
Carpintaria, Hortofloricultura/ Jardinagem, Artesanato Urbano 
(onde o feltro também entrou em "cena",
com a execução de Marafonas) e Educação Tecnológica;
- ou estar presente numa formação, o dia inteiro, e, 
mais tarde, repor as aulas em falta desse mesmo dia 
 (passado já a trabalhar);
- Representar a Escola, por 2 vezes, em Debates Judiciais,
e assistir a crianças/ jovens a serem institucionalizados
(e agradecer, MUITO, por esta oportunidade 
para mudança de rumo na vida destes jovens);
- Fazer a viagem de regresso (mais 50 km);
- Ir buscar o filhote à Escola e perguntar-lhe por algo que, de novo, ficara para trás;
- Chegar a casa e arrumar (qualquer coisa... havia sempre coisas para arrumar),
enquanto o filhote lanchava, num dia diferente, 
com um amigo antes de ir brincar para o parque 
(o que raramente acontecia, porque 
"Primeiro, é preciso fazer os TPCs!" e
havia sempre TANTOS TPC's!...);
- Ir às compras a correr, enquanto o filhote estava no parque, no futebol ou na catequese;
- Sentar, apenas 10 minutos, no sofá com o filhote 
("Mãe, posso contar-te uma coisa?") e 
dar-lhe um abraço e receber de volta 
"Porquê é que as tuas palavras são sempre tão reconfortantes?", 
sorrir e pensar "As palavras da minha mãe é que são reconfortantes!";
- Telefonar à mãe para saber de todos;
- Preparar o jantar;
- Jantar;
- Sentar com o filhote no sofá e, quando isso acontecia,
adormecer ao fim de 2 minutos;
- Acordar e voltar a adormecer na cama do filhote,
quando surgia o pedido "Por favor mãe, deita-te aqui um bocadinho comigo...";
- Levantar e ir preparar os materiais, para a escola, para os dias seguintes;
- e ainda estar na Escola, no início de agosto (meu querido mês de agosto... ), porque 
havia Práticas Simuladas dos alunos da turma do Curso Vocacional para acompanhar, reunir o Conselho de Turma, organizar os processos dos alunos para o ano seguinte, 
etc. etc. etc...;
- já em férias (?), elaborar relatórios de alunos, 
a pedido da Direção do Agrupamento, para serem enviados para o Tribunal;

- Chegar ao final do ano letivo, cansada(?) - sim (bastante, até),
mas também MUITO orgulhosa deste meu ano letivo 
que não foi mais um!


NOTA: Qualquer semelhança entre este texto e outro escrito
 no Dia da Mulher, não é mera coincidência. :-)
Pois... é da mesma autoria! ;-)

9 comentários:

  1. Beijo muito grande minha querida super mulher.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha quem fala... :-)
      Beijitos e BEM HAJAS pelo teu apoio e carinho, sempre! ;-)

      Eliminar
  2. um beijinho muito grande e realmente és mesmo uma super mulher...como sempre...continua e agora recarrega baterias que bem precisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente, somos muitas Super Mulher por aí! ;-)
      O verbo agora é: tranquilizar!
      Beijitos! 💕

      Eliminar
  3. BEM HAJAM por todos os vossos comentários e e-mails,
    de coração cheio... :-)
    Beijitos! 💕

    ResponderEliminar
  4. Fiquei fascinada com as marafonas, cá em casa deito muitas vezes mãos à obra com o filhote, geralmente para presentear os avós, ou no Natal para decorar a casa, somos fãs de reciclar materiais usados :)

    Lina Soares
    Novo no Trinta: http://trintaporumalinhanoticias.blogspot.pt/2016/09/funcionarios-precisam-se.html

    ResponderEliminar
  5. Bem haja Lina Soares! Sou (MUITO) suspeita, mas também eu me apaixonei por estas marafonas! ;-)
    Por aqui, também gostamos muito de fazer os nossos próprios presentes. Na minha opinião, é muito bom que isso aconteça, naturalmente, em casa, pois nas escolas, lamentavelmente, há cada vez menos horas para se explorarem manualidades/ técnicas/ materiais... Beijitos e bons presentes! :-)

    ResponderEliminar